Enem 2022: comportamento dos pais pode ser fundamental para o resultado da prova

By Louis Lisban 6 Min Read

No próximo dia 20, no domingo, os mais de 3 milhões de estudantes que se inscreveram para participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) têm a dura missão de encarar mais 5 horas de prova, no segundo e último dia da avaliação que pode determinar o futuro acadêmico de cada um deles. Mas para além do papel exercido pelos próprios estudantes, os familiares também são parte importante no processo de preparação desse aluno, podendo, inclusive, influenciar no resultado final.

É nesse intervalo entre as duas provas que a ansiedade se aflora, e que muitos alunos sentem a pressão de um ano inteiro de estudos. Coordenadora do pré-Enem no Chromos Colégio e Pré, Denise Arão explica que as correções da primeira prova e a reta final de estudos podem ser desgastantes para o estudo, e dependendo do ambiente que ela encontra em casa, a situação pode até se agravar.

“Neste momento, a família tem que ser mais paciente, tolerante, e precisa ajudar o estudante a relaxar. O aluno vem se preparando ao longo do ano, já tem o conteúdo na cabeça, então o que ele precisa é ficar longe dessa pressão”, explica.

Isso implica em uma mudança na rotina da casa e que exige muita compreensão dos pais. Na casa da estudante Anna Lara Durães, de 17 anos, por exemplo, até o irmão mais novo, de seis anos, está tendo que se adaptar. “Meu esposo trabalha em home office e além da Anna, temos uma criança de seis anos que está sempre querendo brincar e interagir com a irmã, mas estamos aproveitando para deixar ela mais tranquila possível para se focar nos estudos e nessa preparação”, conta Fernanda Silveira Durães, de 35 anos, mãe da estudante que presta o Enem em 2022 pela segunda vez.

Anna tem como objetivo o curso de medicina na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – um dos mais concorridos do Brasil. Para isso, ela conta que já avisou aos pais que tentaria evitar certos temas ao longo da semana para não se sentir ainda mais pressionada.

“No domingo, logo depois do Enem, eu já deixei bem claro para os meus pais que não queria falar sobre a primeira prova, e eles entenderam numa boa. Deixei claro que meu foco é na segunda prova, então o ambiente lá em casa tem sido tranquilo para que eu consiga me focar”, conta.

Dentro de casa

O apoio dos pais nessa hora vai além de uma palavra de conforto e incentivo. Passa também pelo papel de planejar a logística para o dia da prova e, se possível, proporcionar um ambiente de calmaria ao longo da semana. Isso inclui até evitar perguntas sobre o desempenho na prova anterior. “Eu vejo o que acontece com muitos amigos, que sofrem pressão dos pais por resultados, e eu vejo que isso é desnecessário. Já é uma prova difícil, estressante por causa do tempo, e se a gente incluiu nisso ainda mais pressão, ninguém aguenta”, diz a estudante Fernanda Bastos, de 21 anos, que tenta uma vaga no curso de medicina na UFMG.

Quem também mira a UFMG, mas no curso de matemática computacional, é o estudante Gabriel Gama, de 20 anos. Na conversa com os pais, ele conta que recebe apoio, mas também é cobrado.

“Me botaram um pouco de pressão perguntando como que foi a última prova e se eu acho que eu fui bem. Falaram pra estudar mais, mas foi tranquilo”, diz Gabriel. Para o pai, o Mauro Fuziyama, o filho tem competência para mostar mais. “Ele tem que entender que essa cobrança é por que ele tem condições de se esforçar mais e o resultado desse esforço é para atingir um sonho. E mostrar que isso é pra ele e para o futuro dele. No dia da prova não tem muito o que fazer. Antes de sair dei um abraço e desejei boa sorte”, diz Fuziyama.

Lição para os pais

Eliane Monken é pedagoga, especialista em metodologia do Ensino Superior e professora nas universidades Uni-BH e Una. Nessa reta final de Enem, ela explica que, independente da realidade vivida dentro de casa, os pais devem atuar como um pilar para os filhos.

“Os pais devem acolher agora, orientá-los quanto ao horário das provas, criar um ambiente saudável em casa para que o filho vá dormir cedo, se prepare para a chegada do grande dia. Eles precisam estar juntos na criação de um ambiente propício. Quem faz a prova são os filhos, mas o resultado é uma soma de fatores”, explica.

Ainda segundo a especialista, apoiar os filhos e encorajá-los é fundamental, mas é preciso atenção. “É preciso ser terno, mas com firmeza”, alerta. “Tenha o acolhimento, mas sempre com uma direção, orientando no momento certo”, explica.

 

 

Share This Article