Foto: Luiz Costa /SMCS

Com aumento de 23,75% em um ano nos preços da cesta básica nos supermercados, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o custo de itens como arroz parboilizado, feijão preto, batata, tomate, leite integral e óleo de soja comprometeu ainda mais a renda dos curitibanos.

Mas as 260 mil famílias cadastradas nos Armazéns da Família e também toda a população da capital, que pode comprar nos Sacolões da Família, conseguiram economizar nestes espaços da Prefeitura que oferecem produtos com os preços, em média, 30% mais baratos que no varejo.

Diariamente, equipes da secretaria percorrem supermercados de Curitiba monitorando os preços para garantir que os itens nos espaços da Prefeitura sejam mais baratos em média.

“Claro que há as promoções nos mercados, mas na média os Armazéns praticam valores bem mais em conta. Já os Sacolões trabalham com o preço máximo de R$ 2,49 o quilo para a maioria dos hortifrútis. Por isso, ambos têm preços, em média, 30% mais baratos que no varejo”, observa Gusi.

Morador do Centro, o aposentado Lourival Fernando Adriano, 89 anos, é cadastrado há vários anos nos Armazéns da Família e, semanalmente, faz pequenas compras na unidade da Rua da Cidadania da Matriz, na Praça Rui Barbosa. a R$ 2,49 o quilo atualmente?”, salienta ela, que mora no Centro.

O secretário de Segurança Alimentar da Prefeitura conta que os preços nos supermercados poderiam ser ainda maiores se não fosse a concorrência “saudável” dos Armazéns e Sacolões da Família.

“São programas municipais que têm o papel regulador de preço em relação ao comércio da região onde estão as unidades da Prefeitura. Como o varejo corre atrás dos nossos preços, quem ganha é toda a população”, justifica Gusi.

Pandemia

Curitiba conta com 34 Armazéns da Família, que oferecem cerca de 350 produtos, entre gêneros alimentícios e itens de higiene e limpeza. Podem fazer compras famílias com renda máxima de cinco salários mínimos, que residam na capital e sejam cadastradas no programa (saiba como se cadastrar e os endereços).

Já os Sacolões da Família são abertos a toda a população e formam uma rede com 14 unidades que comercializam frutas e verduras ao preço máximo de R$ 2,49 o quilo (confira os endereços).

Devido à pandemia, tanto os Armazéns como os Sacolões da Família seguem rígidas normas para evitar a propagação da covid-19, como limite de pessoas dentro das unidades, organização de filas externas com distanciamento, uso obrigatório de máscara e oferta de álcool em gel.

Comparativos de preços de alguns produtos da cesta básica do Dieese que tiveram maior alta:

Supermercados x Armazéns da Família*

Arroz parboilizado 1 kg                         R$ 5,40                  R$ 3,79

Arroz parboilizado 5 kg                         R$ 24,09                R$ 18,99

Feijão preto 1 kg                                   R$ 7,20                  R$ 5,95

Leite longa vida integral 1 litro              R$ 3,20                  R$ 2,99

Óleo de soja 900 ml                              R$ 7,08                  R$ 5,95

Supermercados x Sacolões da Família*

Batata lavada                                      R$ 4,61/kg        R$ 2,49/kg

Tomate                                                 R$ 5,16/kg        R$ 2,49/kg

*preço médio nos supermercados pesquisados entre 8 e 10/2 de 2021.

Fonte: Setor de Estatística e Análise Econômica da SMSAN.