Reprodução

A promotora de Justiça Estela Mary Ramírez ordenou a prisão do delegado Alcides Velázquez, chefe da Delegacia de Torín, cujos agentes foram denunciados por sequestro e extorsão de um casal de turistas do Brasil. As informações são do site Não Viu

O mandado de prisão foi emitido esta manhã pelo Ministério Público e comunicado à polícia para que o chefe da Delegacia 21 da cidade de Torín, departamento de Caaguazú, seja preso.

Ontem (19), os sargentos Eladio Giménez, Gustavo Toledo, Osmar Paredes e Julio Díaz foram presos após supostamente sequestrar Mateus Mangiocca (22) e Julia de Lima Venancio (21), ambos residentes em São Paulo (Brasil), para exigir um resgate de cerca de  G. 65 milhões, o equivalente a R$ 50 mil.

O caso foi o seguinte, segundo relato a imprensa do Paraguai:

  1. Os brasileiros Mateus Mangiocca, 22 e Julia De Lima Venancio, 21, da cidade de São Paulo (Brasil), vieram visitar o Paraguai. Eles foram para a cidade de Assunção em uma Jeep Renegade branco alugado;
  2. Na tarde desta segunda-feira (18), o casal retornou da viagem com tranquilidade, até ser abordado pelos agentes da 21ª Delegacia, localizada no bairro de Torín, na cidade de Juan Eulogio Estigarribia;
  3. Lá, os policiais começaram a exigir dinheiro do casal, porque eles, supostamente, não tinham documentação impressa para dirigir, apenas possuíam documentação digital no celular;
  4. Os policiais exigiram suborno de R$ 50 mil (cerca de G. 62.500.000, pelo câmbio atual) para que continuassem a viagem;
  5. Diante da recusa do casal em pagar a quantia exorbitante, os policiais os algemaram e os colocaram na prisão, ameaçando-os de plantar drogas em seu veículo;
  6. O casal dormiu na delegacia e conseguiu, com familiares, via telefone, o valor para 25 mil reais;
  7. Julia De Lima Venancio foi levada por um policial ao centro de Ciudad del Este, lá embarcou em um táxi contratado pelos policiais para levá-la ao banco, sacar o dinheiro e voltar;
  8. No entanto, a agência bancária recusou-se a dar-lhe a grande quantia, momento em que a mulher se desesperou, gritou, chorou e ajoelhou-se e pediu o dinheiro, caso contrário matariam o seu companheiro;
  9. Os guardas chamaram agentes da Polícia Federal que conversaram com a mulher, e comunicaram-se com seus parceiros de confiança no Paraguai, que relataram o ocorrido ao Ministério Público e, imediatamente, a promotora Estela Mary Ramírez e aos agentes de Investigação Criminal.
  10. Eles foram fazer uma batida na referida delegacia e libertaram o Eládio Gimenez.
  11. O casal reconheceu os policiais que os sequestraram e eles foram presos.

Fontes: assessoria, jornais ABC Color e La Clave